quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 3

Uma vez que o post anterior é apenas a introdução, aqui fica então o primeiro capítulo da 1ª Parte do Manual O Fluxo da Abundância.

Parte 1




O Fluxo da Abundância


Somos todos intrinsecamente abundantes. No entanto isto passa muitas vezes totalmente despercebido, podendo traduzir-se em bem estar ou aflição, tudo depende do que estamos a criar.
Como grande parte dos seres humanos que fazem parte das sociedades ditas modernas passam uma boa parte das suas vidas atordoados no estado geral de hipnose que dita o que é certo, errado, o que se deve temer, amar, fazer, ter, ser, etc, é difícil darmo-nos conta que somos criadores da nossa própria “realidade” - ou, seja, do nosso próprio mundo (cada um tem o seu).
Da mesma forma, buscamos constantemente abundância daquilo que julgamos que nos faz falta e fugimos ou lutamos contra a abundância daquilo que julgamos não ser bom – ambos sendo processos de escassez. E ainda, contraditoriamente, na prática o que produzimos é mais daquilo que dizemos não querer... e em quantidades absolutamente avassaladoras!
Na verdade, em qualquer dos casos, não estamos nem a fluir, nem presentes nas nossas vidas.
É que para nos sentirmos abundantes e fluidos, é preciso estarmos no nosso corpo, no momento do Agora, não divagando algures nas “bisbilhotices” do passado ou nas expetativas do futuro, ou até na alienação de outros reinos e dimensões supostamente melhores que esta.
Serve-nos de entretenimento mantermos sempre o que julgamos necessitar fora do nosso alcance. Assim temos sempre um “objetivo” rumo ao qual esbracejar. Por outro lado o “vício da adrenalina” é algo tão sedutor que nos mantém presos pelos colarinhos, arrastando-nos constantemente para o “drama”, para o supostamente “difícil”, mau, desagradável, etc...
Usamos energia sob as mais variadas formas para materializarmos as nossas vidas. Não somos energia – usamo-la. Somos Consciência, vivendo num corpo de matéria energética e usando Energia para se experienciar no plano físico. A Energia é infinitamente abundante, pois pode ser sempre produzida a custo zero (quando eficiente), e é completamente plástica – assume a forma que lhe dermos. Só que, quando é posta em marcha ela busca sempre resolução – por outras palavras - assume qualquer forma que seja, direcionada ou não. Não pode ser contida indefinidamente (por exemplo raivas, mágoas contidas mais tarde ou mais cedo explodem, quer literalmente quer no corpo físico) e quando seres de Consciência, que é o que somos, a usam sem consciência disso, dispersam e desperdiçam muitíssima Energia – não há um uso eficiente. As nossas crenças sobre a vida e o que é possível e o que não é, o que é bom, mau, as ditas “Leis da Vida”, também limitam a forma como gerimos o uso da Energia – e posto isto, o uso do nosso Tempo, do nosso Espaço, do nosso Dinheiro, de todos os nossos recursos – tudo isto é nada mais que a Energia que nela colocamos – fluida e consciente, ou limitada e inconsciente?
Pois bem, assim se tolhe o fluxo abundante daquilo que queremos mesmo experienciar.
A boa notícia é que há soluções, muitas, mas não cabem todas aqui, por isso vamos aos primeiros passos.
1.       Tomar Consciência – Afinal como estou a viver a minha vida, é isto que eu quero?
2.       Aterrar no meu Corpo e na minha Vida – Estou presente no Agora ou ausente pensando sobre o que fiz (ou o que os outros fizeram, disseram...), ou sobre o que tenho para fazer, ou ainda saindo constantemente do meu “centro” para ir fora de mim receber apreço, reconhecimento, aceitação, tentando ser o que não sou, esforçando-me por ser o que os outros esperam de mim? O que é que eu quero para mim?
3.       Re-inventar-me – Tudo aquilo que me disseram, ou que eu ouvi dizer serve-me, é a minha “Lei”, ou a minha verdade interna diz-me que há mais para além do que eu vim a acreditar ser “normal” sobre a forma como vivo a vida?
4.       Escolher – Escolho claramente o que realmente quero ou deixo que a vida me aconteça aleatoriamente? Esta escolha não é algo apenas mental, é uma escolha do “sentir” que é mesmo isto que eu quero experienciar, uma escolha do coração.
5.       Confiar – Confio em mim, nas minhas capacidades, ou a dúvida assola constantemente as minhas escolhas?
6.       Receber – Sinto-me merecedor daquilo que realmente quero, ou sinto que não sou suficientemente “bom” para recebê-lo? Permito-me receber?
7.       Redescobrir a Paixão – A minha Vida é um tédio, ou uma correria impensada, à qual dou pouca atenção real? Amo viver? O Que é que me faz ou faria amar viver?
8.       Amar-se – O Fluxo da Abundância começa dentro de cada um de nós. É aí que se flui ou se está bloqueado. Como é que me trato? Dou-me tempo, carinho? Ouço o meu sentir? É que quem não se ama não sabe o que é o Amor e por isso não sabe Amar. “Amai-vos uns aos outros como a vós mesmos” - já ouvi/li isto nalgum lado...
9.       Simplificar – sem palavras:-)

Coisas simples que mudam a nossa perspetiva. Convido-te a experimentar...Agora. Tens aqui um Manual inteirinho dedicado ao tema. Aproveita-o bem.

Exercícios de Reflexão:


1.       Afinal como estou a viver a minha vida, é isto que eu quero?
2.       Estou presente no Agora ou ausente pensando sobre o que fiz (ou o que os outros fizeram, disseram...), ou sobre o que tenho para fazer, ou ainda saindo constantemente do meu “centro” para ir fora de mim receber apreço, reconhecimento, aceitação, tentando ser o que não sou, esforçando-me por ser o que os outros esperam de mim? O que é que eu quero para mim?
3.       Tudo aquilo que me disseram, ou que eu ouvi dizer serve-me, é a minha “Lei”, ou a minha verdade interna diz-me que há mais para além do que eu vim a acreditar ser “normal” sobre a forma como vivo a vida?
4.       Escolho claramente o que realmente quero ou deixo que a vida me aconteça aleatoriamente?
5.       Confio em mim, nas minhas capacidades, ou a dúvida assola constantemente as minhas escolhas?
6.       Sinto-me merecedor daquilo que realmente quero, ou sinto que não sou suficientemente “bom” para recebê-lo? Permito-me receber?
7.       A minha Vida é um tédio, ou uma correria impensada, à qual dou pouca atenção real? Amo viver? O Que é que me faz ou faria amar viver?
8.       Como é que me trato? Dou-me tempo, carinho? Ouço o meu sentir? 

Ah, e já agora não te esqueças da Gratidão. Acordar de manhã, respirar fundo e agradecer a magia de tudo o que envolve a existência, sorrir...coisas simples que aquecem a alma e recordam como é o Fluxo da Abundância.

Nota: Escreve as respostas num bloco/caderno pessoal, que será útil ao longo de todo o Manual, pois todo ele tem exercícios práticos de introspeção.





Sem comentários:

Enviar um comentário