sábado, 27 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 18

Conclusão


A tua mente vai dizer-te que só podes estar louco/a! Vai dizer-te que não percebe nada desta forma de criar. Aliás, que não percebe nada deste Manual. Vai perguntar-te como, afinal, é que se põe isto tudo em prática. Vai desafiar-te a provares que isto funciona. A tua mente vai sentir-se baralhada e de certa forma posta de parte, porque esta forma simples de criar não é mental, é intuitiva. É do coração, não da cabeça.

À medida que vais silenciando a mente com a prática de Respiração Consciente / Meditação, ela vai-se sentindo posta de parte. De repente já não precisas dela como precisavas. De repente não é ela que manda, és tu que escolhes. De repente os seus avisos não te movem e os seus medos não te assustam. De repente ela fala mas tu pedes-lhe que se silencie, ela aconselha mas tu não lhe dás ouvidos.

A mente fica preocupada. Como vais viver sem que ela te guie?

Convida-a. Convida-a a expressar-se, sem no entanto lhe dares conversa, mas ouve-a. E depois convida-a a viver de uma forma nova, a ser-te útil de uma forma nova, que é na verdade a forma que preenche o seu propósito. Organizar, fazer listas, fazer contas, aprender conceitos teóricos que servem alguma aplicação prática na vida, recordar o que é essencial, tabelar, arquivar… Ela é e será sempre muito útil, quando posta ao teu serviço – tu, o/a criador/a da tua vida. Não a menosprezes, nem rejeites. Aceita-a e convida-a a participar deste novo TU que nasce à medida que fores pondo em prática todos os exercícios aqui sugeridos. As mudanças vão ocorrendo naturalmente, fruto da tua tomada de consciência, à medida que te vais questionando sobre o que te serve e não te serve mais e tudo o resto que aqui se propõe. A tua vida vai mudando por si mesma à medida que te vais observando e vais observando a tua realidade, fazendo escolhas conscientes.

É um processo de mudança natural e tão simples quanto permitires que seja.

É assim que acontece. É assim que este Manual “acontece” na tua vida.

Repito: diverte-te! J Não há como errar porque está sempre tudo certo, mesmo quando parece errado. É a vida a acontecer de ziliões de maneiras diferentes. Celebra a sua diversidade.

Outra coisa: recorda-te sempre que as escolhas que fazes são só para ti. Não podes escolher pelos outros. Eles são os seus próprios Mestres, ou serão, se e quando se sentirem impelidos a reconhecer-se.

Mesmo assim, e sabendo que vivemos no mundo uns com os outros, como é que as pessoas que estão em sintonia contigo se mantêm ou entram na tua vida e as que não estão saem? É muito simples. Tu escolhes o que queres para ti, e tudo o resto se acomoda por si só, de acordo com a tua escolha. Por exemplo, se escolhes vivenciar serenidade, depois de teres olhado para dentro de ti e visto e transformado o que te removia a serenidade, tudo na tua realidade estará de acordo com essa escolha: as situações, as pessoas, os lugares. É mesmo assim tão simples.

Em relação à interação com os outros, podes até escolher relacionar-te com a parte criativa de determinada pessoa, ou com a parte confiante e honesta de outra, e assim por diante. Até isso podes escolher, porque todos têm diferentes partes e tu podes escolher não jogar determinados jogos e criar relações produtivas ao dirigires-te às partes das pessoas que melhor servem propósitos produtivos. O benefício, claro está, é de ambos, mas a escolha consciente foste tu que a fizeste.

Brinca com as escolhas. Podes sempre transformar uma escolha que concluas que afinal não te serve. Brinca diariamente com as escolhas, definindo como queres vivenciar os teus dias. Não ao pormenor, mas em traços gerais. Por exemplo “hoje escolho experienciar Alegria e Espontaneidade no meu dia”. E segue escolhendo e experienciando na prática o resultado das tuas escolhas…


Podes claro, também brincar com escolhas concretas como por exemplo “escolho comer isto”, “escolho ter ______”, pode ser seja o que for, uns determinados sapatos, roupas, carro, casa, etc. “Escolho fazer______”; “Escolho ter x experiência”. Experimenta escolher ao pormenor, e experimenta deixar a escolha mais aberta. Por exemplo “escolho o carro de x marca, cor, cilindrada, etc, ou simplesmente “escolho um carro económico, com 5 lugares e 5 portas, novo (ou semi-novo)…”.  E depois assiste à materialização. Não é necessário anotar tudo, desenhar, afixar na parede. Escolhe e pronto! Já está. Larga e confia. Mas  confia mesmo. Sem limites. Como é que se vai materializar? Não sei. Nem tu. Não adianta pensares sobre o assunto. Entretanto VIVE, CRIA, CELEBRA, AMA, SORRI, AGRADECE, SÊ!


1 comentário:

  1. Como É Extraordinário "O(re)entrar" na raíz da Escolha ( simples que Ela seja), numa Simbiose perfeita com a Mente, abrindo-se o "nosso" Coração, em leque infindo, espargindo Alegria e Serenidade, pelo que Sentimos em Nós e em todas as partículas da Mãe-Natura!!!.
    Artemis

    ResponderEliminar